Your Shopping Cart

It appears that your cart is currently empty!

CONTINUE SHOPPING

O FUTURO É AGORA - Upcycling pelos olhos de Ana Coelho

Dois números: 5,8 milhões + 40

Duas datas: 1994 + 2002

Duas palavras: Down- + Up-cycling

5,8 milhões de toneladas é a quantidade de têxteis que os consumidores da União Europeia enviam anualmente para aterros. E 40 anos é aproximadamente o tempo que o nylon  leva para se decompor. Em 1994, o engenheiro alemão Reiner Pilz falou pela primeira vez em Upcycling. Mas apenas desde 2002 é dado como um exemplo que pode nos ajudar a salvar o mundo; agradecimentos ao arquiteto William McDonough e ao químico Michael Braungart por meio do livro Cradle to Cradle: Remaking the Way We Make Things (versão PT) que mostra como design e ciência se integram na tentativa de eliminar o conceito de desperdício. 

Upcycling e Downcycling são conceitos distintos. Para a Reiner Pilz, Reciclar é Downcycling, pois quebra e quebra tudo. Os produtos passam por intervenções químicas e mecânicas que os decompõem em pequenas partes, perdendo qualidades, daí o nome Downcycling. Pilz argumenta que o que é necessário é o upcycling, onde o maior valor é retido. 

Com o Fashion Upcycling, os materiais indesejados são transformados na moda desejável. É um novo tipo de consciência ambiental no design de moda que reutiliza o estoque têxtil em excesso e / ou obsoleto e o reintroduz no mercado da moda. É uma parte significativa da reinvenção da indústria da moda e pode gerar belas peças. A obsolescência ou o excesso de estoque podem assumir outra vida em vez de serem descartados, criando um ciclo virtuoso: novas coleções são criadas inteiramente a partir de excedentes ou têxteis descartados.

O upcycling tem suas raízes na mentalidade de gerações anteriores de cerzir, remendar e improvisar com o que existe. E tem potencial para um impacto ambiental e social positivo. Pode desviar cerca de 85% dos resíduos têxteis dos aterros. Como diz Kate Krebs, diretora americana do Closed Loop Beverage Fund, “Resíduos são falhas de design”. 

Com este modelo de negócio, aborda-se um resíduo significativo - 4% do total de resíduos produzidos em Portugal (dados de 2017) -, sendo garantidos empregos para artesãos e designers. Segundo Gabriela Hearst, designer de luxo uruguaia, sustentabilidade é aprender a trabalhar com certas limitações e parâmetros, o que é ótimo para a criatividade. Não vivemos em uma infinita cornucópia de recursos naturais, temos que parar e pensar no desperdício, pois ele tem aumentado de forma descontrolada, como afirma a designer britânica Stella McCartney. 

O upcycling é um processo que requer uma habilidade criativa para ver o potencial dos materiais existentes e transformá-los em coisas novas e bonitas que os clientes desejam, tendo em mente que as considerações de sustentabilidade são vistas como um pré-requisito e não como um impulsionador das decisões de compra. Ao abraçar os tecidos obsoletos e em excesso como uma falha de design, Vintage for a Cause ajuda os clientes a otimizar suas escolhas e melhorar a sustentabilidade. É a capacidade de criar circularidade de materiais que elimina o desperdício e cria um mundo sustentável. Então, vamos nos preparar hoje para um futuro em que o Upcycling seja uma realidade! 

Ana Coelho